Vila de São Francisco Xavier com a serra da mantiqueira ao fundo

terça-feira, 11 de maio de 2010

o muriqui símbolo de um distrito de São Jose dos Campos




Na corrida pela conservação dos animais ameaçados de extinção da mata atlântica, um grupo de pesquisadores começou a realizar um estudo na região e verificou que uma das populações de primatas mais ameaçadas do Vale do Paraíba --o muriqui ou mono-carvoeiro-- encontrou seu habitat no distrito de São Francisco Xavier.A partir daí, com o incentivo do Fundo Nacional do Meio Ambiente, de uma ONG (Organização Não-governamental) canadense e do Ipê (Instituto de Pesquisas Ecológicas), biólogos e ecólogos foram atraídos para o distrito e começaram a realizar um trabalho de campo há cinco anos.O trabalho começou a "contagiar" a comunidade. Hoje, o muriqui é considerado o ícone de São Francisco Xavier. O macaco está presente em todas as placas indicativas da cidade e até deu nome a uma pousada.O pesquisador Ronaldo Aparecido Souza, que trabalha com educação ambiental, disse que o muriqui virou um símbolo na localidade e até incentivou a arrancada do turismo. "A colocação de placas indicativas é um exemplo. Além disso, a divulgação do animal ameaçado de extinção também contribuiu para a educação no distrito".Atualmente, as escolas de São Francisco Xavier trabalham com informações colhidas pelos pesquisadores. O próximo passo é montar um material pedagógico, elaborado por professores e alunos do distrito. O macaco está tão presente no cotidiano de São Francisco Xavier que virou até o nome do boletim informativo da sub-prefeitura --"O Muriqui".
TERMÔMETRO - Segundo a ecóloga e coordenadora do projeto de conservação dos muriquis, Marilene Mesquita Silva, a sensibilização da comunidade com relação à importância da espécie ameaçada é fundamental para a realização do trabalho de pesquisa.
Atualmente, há o registro de aproximadamente 1.200 muriquis em todo o território nacional. Somente em São Francisco Xavier, a população estimada ultrapassa 100 animais.Um dado importante é sobre a característica de exigência de habitat do mono-carvoeiro --eles só sobrevivem em locais onde não tenha havido degradação ambiental em grande escala. "Eles funcionam como indicadores de qualidade ambiental", explica a ecóloga.
FICHA TÉCNICAO muriqui ou mono-carvoeiro é o maior primata neotropical . A espécie adulta pode atingir até 15 Kg. Nome científico: Brachyteles arachnoides, da família Atelidae. Come frutas, folhas e alguns insetos.